sexta-feira, 24 de Outubro de 2014

Pássaro em queda

...continuando o meu repositório.( Postagens agendadas de forma periódica por motivos óbvios)
 
Pobre pássaro que pareces ir morrer!
Na tua história de vida um estafeta.
Com os pais aprendeste a sobreviver!
Ensinando os novatos atingiste a tua meta!

Como quem vai a um arquivo
à procura de uma velha quimera.
Sinto que o pássaro está vivo
Como viva é a Primavera!

Tal e qual a nossa sina!
De uma vida desgastante!
Dos sonhos de uma menina,
fiz-me uma pessoa importante!

Somos assim passarinhos!
Sempre e sempre a voar...
Nunca deixemos os sonhos,
nesta nossa frágil vida acabar!!

segunda-feira, 20 de Outubro de 2014

Coligação versus Oposição





E porque não um ajustamento adulterado da Dona Laura do Miguel Araújo.
Não me levem a mal apeteceu-me.


Olha a Coligação lá vai toda decidida
Diz que é crescida e que prescinde dos conselhos do povo
Olha ela, lá vai toda destemida
Dona das vidas nem duvida que é por ali que  vai cair  no lodo
Olha a coligação a cortar na função publica e reformados
Contradiz a oposição na assembleia parlamentar onde anda
E manda na dinâmica dos votos
Não vai à bola com as bocas da esquerda
E não disfarça e faz a vida negra às criaturas
É a ditadura de quem manda só porque sim
Olha a coligação que já fumega às escondidas do costa
Com o apoio total  de Belém
Ainda governa às escondidas com a troika
Enquanto diz que não tem medo
De nada nem ninguém
Vai, decreta até um dia
Que a vida são dois dias
E tu vais ser ninguém
Igual ao acabado
Um olho na panela
E o outro na gamela,
Um dia vais ser oposição, tal e qual como ela
Olha a coligação julga-se a dona da verdade
Sem ter cuidado com os cortes acolá e aqui
Sempre que a chamam á  razão desatina e pouco diz
Acha que opina bem sobre o estado a que chegou o país
Olha a coligação lá vai cheia de orgulho
Nenhum vestígio de passos e portas outrora santas e singelas
E a mãe acabada fica a vê-la da janela
Ainda se lembra bem do tempo em que a coligação era dela
A dar palpites às escondidas do pai com o dinheiro que alguém
Subtraiu da carteira da banca
Enquanto diz ao mundo que ainda há-de vê-la ser alguém
Vai, decreta até ser dia
Que a vida são dois dias
E tu vais ser ninguém
Igual ao acabado
Um olho na panela
E o outro na gamela,
Um dia vais ser oposição, tal e qual como ela
Aproveita agora
Que há-de chegar a hora
Que não poupa ninguém
Vais ser igual à oposição
A direita ficará na trela
Repete-se a novela, um dia vais
Ser mais oposição do que ela.

quarta-feira, 15 de Outubro de 2014

Gostar...

Também gosto disso tudo!
De mim, de ti e mais alguém
No gostar eu fico mudo
Não digo nada a ninguém!

Claro que sabes que existo
e deixo aqui meu retrato!
Tantas vezes que insisto,
ignoras-me como um trapo!

Uma coisa não gostei
no teu poema adorado!
Imaginas-me "apenas", bem sei
deixas-me aqui dependurado!

Mas somos dois bons amigos,
disso posso eu falar!
Andamos meio escondidos,
entre o amar e gostar!

sexta-feira, 10 de Outubro de 2014

Porquê?

- Mamã,
Se um ministro saíu por causa de uma anedota
Porque é que:
Um agora  não sai sendo a própria anedota?

- Mamã,
Se o prior era o Crato
Porque é que
O Crato  passou a ser o pior?

- Mamã,
Se um governo tem portas
Porque é que:
Não consegue sair por elas?

- Mamã,
Se o coelho anda a passos
Porque é que:
não há quem lhe acerte?

- Mamã,
Se os galos têm cristas.
Porque é que:
As cristas têm galo?

- Mamã,
Se o Paulo vem mais cedo
Porque é que :
a saúde se atrasa?

- Mamã,
Se Al-cuentre o supositório
Porque é que :
Al- buquerque não sai?

- Porquê mamã?
- Cala-te rapariga! Chega de tanto porquê! Já me basta aquele pessoal todo a fazer perguntas nos parlamentos e as respostas são o que se vê!

quarta-feira, 8 de Outubro de 2014

Amo

Amo este amor bem real e sentido na partilha de dois seres .
Amo o teu corpo no meu, tão igual na diferença…
Amo quando te dás no recíproco de uma troca…
Amo teus dedos quando colados nos meus…
Amo quando tua vontade mata a fome…
Amo o encosto além da pele do rosto…
Amo os carinhos livres do medo…
Amo os beijos de segredo…
Amo o cheiro que é teu…
Amo tua voz de dama…
Amo tanto ao ver-te…
Amo dentro de ti…
Amo o sabor…
Amo o amor…
Amo amar…
Amo… 


(Uma palavra com três letras na base consegue suportar o peso de muitas outras)

domingo, 5 de Outubro de 2014

Força, Forca!

Porque estamos num ex feriado...5 de Outubro, lembram-se? Passou-se em 1910 com o fim da monarquia e implantação da República.
Porque o poeta perguntou "Valeu a pena?"
Porque me apetece implantar uma outra republica "sem bananas"
Porque a força existe mas não se une.
Porque a forca pode ser útil:


E tu?  Forca calada não dizes nada
deixas que a voz do poeta
passe a ser a de um profeta
ficando a corda de linho abandonada?

Encrespa-te, ou então dobra o teu joelho!
Lembra-te que nobre pode ser tua missão
Se teu laço cumprir uma difícil função:
Afagar com mui vigor o pescoço de um coelho.

Deixa-te de cabelos que são uns simples pelos!
E escuta--me com atenção se assim quiseres,
No meu antro tenho sisal aos novelos!

Chama um a um a teu laço, sempre sem atropelos
Iludindo-os a seu modo,pode ser com malmequeres 
Rapidamente ficas livre, dessa corja de camelos!

Forca só...não! - força forca!