segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

Luxúria

Luxuria, minha amiga
que queres que te diga?
Que te pratico
quando não complico?
Na ponta de um dedo
que não mete medo
Na ponta da língua
que reduz a mingua,
luxúria pratico
se a ti me dedico!
Por todo o teu ser
dou o meu saber,
o saber amar
sem te penetrar,
o saber entrar
sem ter de pecar,
o saber sair
no saber sentir
que a vida é um encanto
em qualquer recanto! 

quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

Grito

Subitamente iluminada
Da noite se faz o dia!
Subitamente apagado
Acaba a luz que alumia!

Nada deve vir de súbito
Para ter a garantia
Que ao ouvir o teu grito,
Ouço um grito de alegria!

sábado, 17 de janeiro de 2015

Transformação

Tudo na vida se transforma
Num constante desafio
sem depender de uma norma
num constante corropio
presos por um sopro ou por um fio! 

quinta-feira, 15 de janeiro de 2015

Viver e Voar

Viver é voar
Voar é a vida
Quando se abrem asas ao vento
Esforço a subir e depois planar
Sem destino, sem lamento,
por vezes meio perdida,
por vezes parada 
Voar é uma vida
Viver é um voar.

segunda-feira, 12 de janeiro de 2015

Notável...em tua mão

Num corropio de paixão
Onde o vermelho do puro sangue
Transmite segredos do coração
Ao bater de forma arritmica 
Vaidoso com a função
Eis que meu coração fica
Louco em tua mão...

Em mãos dedicadas
Metodicamente treinadas... 

Tudo se transforma
Um momento de sim ou não
Abres-me para ti...

Mantém-se o corropio 
Apuras o teu sentido
O meu futuro está...em tua mão!

NOTAVEL...quando nos colocamos na mão de outrém!
(para quem me compreende)

quinta-feira, 8 de janeiro de 2015

Conversa ao desafio com uma amiga#4

Não levem a mal a minha condição de nado e criado no Minho dá para coisas como esta, uma conversa com sentido e consentida...

                                                                         Traz mais versos pra rimar
                                                                         A tua amiga outra vez
                                                                         Afinal nem tens de esperar
                                                                         Pois já cá estou, como vês.
O Dia está, na verdade,
Tanto a rir como a chorar
Mas não me tira a vontade
De te querer abraçar.
                                                                       Ainda bem que para ti
                                                                       Escrever não é à toa
                                                                       Canta, dança e sorri
                                                                       Que a amizade é coisa boa
Gosto muito de dar beijos
De os receber... nem se fala
E sentir no corpo desejos
Daqueles que a boca cala.
                                                                       Desejos! Quantos eu tenho
                                                                       Nesta vida tão confusa
                                                                       em que o mais fácil suponho
                                                                       é desabotoar a blusa!
Abraçar-te era bom
Nem que fosse por momentos
Sentir a consolação
de murmurar meus lamentos.
                                                                      Tu aí e eu aqui
                                                                       sentados a dedilhar
                                                                       que arrepio senti
                                                                       ao desejar amar...
O tempo dá-me a esperança
que o sofrimento se vá...
Quem me dera ser criança
nos teus braços de mamã.

Perdido nos meus sentidos
Com pés assentes na terra
Meus olhos ficam molhados
na lágrima que desespera.

A minha estima por ti
é de longe o meu futuro
e encontrar-te aqui
é o que eu mais procuro.


Por agora, termino a cantoria...prestes a sentir-me anestesiado, qual abelha entorpecida pelo pólen...ou antes pelos midazolans, propofolis e afins que me são profissionalmente familiares, enfim...
A quadra eleita por unanimidade nas quatro conversas publicadas foi:

                                                   A amizade é coisa séria
                              Digo-te numa oração
                              Para mim não é só léria
                              Tenho-te no coração.  

terça-feira, 6 de janeiro de 2015

Conversa ao desafio com uma amiga#3

Não levem a mal a minha condição de nado e criado no Minho dá para coisas como esta, uma conversa com sentido e consentida...
Sou do povo e como tal
estou como o braço para a mão
pareço que sou castiço
quando uma abre o pão
a outra traz o chouriço.
                                                            Isso é como nas cantigas
                                                            Ao desafio e a rimar
                                                            Faz lembrar modas antigas
                                                            Com música a acompanhar.
A música soa-me bem
e liberta a minha mente
Assim respondo também
com sabores d'antigamente.
                                                             Respondeste e muito bem
                                                             Já vi que aceitaste o repto
                                                             Pois é um prazer versejar
                                                             Com o meu amigo dilecto.
Aceito qualquer dos reptos
Que me possas colocar
Os meus versos vão diretos
ao teu querido versejar.
                                                               Versos pra frente e pra trás
                                                                Por escrito ou oralmente
                                                                Quando notícias me dás
                                                                Fico feliz e contente.
Ambos temos compromissos
e umas tantas verdades
por vezes somos omissos
dos nossos cara metades.
                                                                Omissões? Não sei que dizes!
                                                                Eu cá tenho uma missão
                                                                Que é fazer todos felizes
                                                                Dos mais velhos aos petizes
                                                                Que trago no coração.
Tu fazes todos felizes?
todos, todos, todos mesmo?
Meu Deus, o que me dizes
atirei-me para o abismo?
                                                                  É uma utopia eu sei
                                                                  O Amor universal
                                                                  Pois não se pode amar
                                                                  A todos por igual.
Isso mesmo, tal e qual,
O Amor é diacrónico...
Amar-te agora afinal
É um Amar platónico.
                                                                  Como versos coloridos
                                                                  Assim é a nossa amizade
                                                                  Bem solta e sem pruridos
                                                                  Feita de amor e verdade.
É difícil explicar
o que se passa comigo
por isso quero manter
esta amizade contigo.
                                                                    A amizade é coisa séria
                                                                    Digo-te numa oração
                                                                    Para mim não é só léria
                                                                    Tenho-te no coração.
Teu coração me consola
mesmo que em segredo
Meu corpo é tua escola
Teu corpo é o meu degredo.
                                                                     Agora embatoquei
                                                                     Não sei que responda ou diga
                                                                     Mas confesso que corei
                                                                     E arrepiou-me a barriga! :)
Tal reacção não esperava
pois quis transmitir calor.
Que o arrepio te traga
Ao teu corpo o meu sabor.
                                                                     Do teu sabor só conheço
                                                                     O sal da água do mar
                                                                     Saber mais eu não mereço
                                                                     Mas juro-te que não esqueço
                                                                     A promessa em te abraçar.
 Mantém a esperança acesa
porque estou a gostar
tu és a minha princesa
vou gostar de te abraçar.
                                                                     Vou mantê-la acesa sim
                                                                      Bem junto do coração
                                                                      Envolta em flor de jasmim
                                                                      Amor e dedicação.
Derreto-me no teu jardim
Com os odores que libertas,
Sinto-te dentro de mim
Pelo amor que me despertas.
                                                                       Gosto de flores aos molhos
                                                                       Gosto dos seus aromas
                                                                       Gosto da luz dos teus olhos
                                                                       Das tuas verdades e axiomas.
Gostar de mim como gostas
é um prazer redobrado.
Se te massajar as costas
desejarás o pecado.

Vamos lá endoidecer
Alguns dos nossos sentidos
A amizade a aquecer
Com teus desejos queridos.

Não sei se o meu sabor
Se encaixa no teu ser
dá um tempo ao amor
Que de mim poderás ter.

domingo, 4 de janeiro de 2015

Conversa ao desafio com uma amiga#2

Não levem a mal a minha condição de nado e criado no Minho dá para coisas como esta, uma conversa com sentido e consentida...

Gosto de te ver assim
cada vez que me retorques
Ficas mais perto de mim
Sem rodeios e sem truques.

O havemos de aqui vir
é um caso popular
onde aqueles que lá vão
pensam logo no voltar.

                                                                                 É sim senhor bem verdade
                                                                                 Não vou dizer o contrário
                                                                                 Adoro essa cidade
                                                                                 Mais as bolas da Natário.
Ora bolas digo eu
Que tenho duas bolinhas
O Natário é plebeu
Muito melhores são as minhas.
                                                                                  Muitas bolas já provei
                                                                                  As da Natário sem igual
                                                                                  Já das tuas nada sei
                                                                                  Pois podem-me fazer mal!
Minhas bolas mal não fazem
adaptam-se à vontade,
Mas um reboliço fazem
Se deres oportunidade.
                                                                                  Tu não me tentes, amigo
                                                                                  A carne é fraca, bem sabes
                                                                                  Fujamos sempre do perigo
                                                                                  E de outras adversidades.
Do perigo sim, isso fujo
de ti procuro um encosto
Se te apanho o dito cujo
até te osculo no rosto.

Palavra puxa palavra
ao meu amor de algum dia
se o meu sangue não te engana 
ainda nos leva pra cama.
                                                                                    Não sei se isso é bem assim
                                                                                    Sabemos-nos comportar
                                                                                    Bates-me o coro a mim
                                                                                    Pois gostamos de brincar.
Comportar, bem me comporto
Não fiques tão assustada
por te colar ao meu corpo
numa simples noitada.
                                                                                      Não me assusto não senhor
                                                                                      Pois não é caso pra tal
                                                                                      Mas vai devagar co'andor
                                                                                      Pra teres forças pro arraial.
Juntar o teu dinamite
ao meu rastilho afinal
é como comer um bife
durante o tal arraial.
                                                                                      Quem diz bifes, diz chouriça
                                                                                      Alheira ou salpicão
                                                                                      Sem esquecer a linguiça
                                                                                      Assada dentro do pão.
Queres desafiar
o meu lado rufião
Comia-te até ao osso
lambia os dedos da mão.

Deixas-me preocupado
tens teu amante ao teu lado
com mesmo peso e estatura
que o triste enamorado.
                                                                                       Não precisas de temer
                                                                                       É uma mera coincidência
                                                                                       O que é preciso é não ter
                                                                                       Pesos na consciência.
Na consciência não tenho
algum peso que me afete
Sei usar a inteligência
e já não uso babete.
                                                                                     Quem de babete precisa
                                                                                     Ou é velhinho ou criança
                                                                                     Mas se a alegria é juíza
                                                                                     Vamos bailar esta dança!
A dois tempos já eu danço
este baile sem igual
de te apertar não me canso
no meu instinto animal.
                                                                                       Se deixarmos os instintos
                                                                                       À solta e sem travão
                                                                                       Somos animais famintos
                                                                                       Dominados plo tesão.
Que palavra poderosa
a que rima com o ão
Deves ser mais saborosa
Que a minha imaginação.

O que se passa comigo
minha frondosa amiga
tudo se transforma em perigo
por ter mais olhos que barriga
                                                                                        Isso soa-me à canção
                                                                                        Daquela famosa artista
                                                                                        Porque o Demo mete a mão
                                                                                        Para nos turvar a vista.
Nesta eu dou-te razão
mas a culpa é da fome
tanto penso em pôr-te a mão
que o meu olhar te come...
                                                                                         Que os olhos também comem
                                                                                          Isso não é novidade
                                                                                          Seja mulher seja homem
                                                                                          Seja novo ou já de idade.
Sabes que este comer
Tem sabores de maravilha.
Ao com amor pretender
fazer mútua partilha.
                                                                                           Concordo sem retorcar
                                                                                           É um manjar de delícias
                                                                                           Conjugar o verbo amar
                                                                                           Partilhando mil carícias.
Deste um ar sensual
Ao prazer que se deseja
no acto sexual
que todo o humano enseja.
                                                                                            Sinto que ambos devemos
                                                                                            manter a actual distância
                                                                                            não vá o diabo tecer
                                                                                            uma dorida ausência.

Custa-me a concordar!
Mas mantenho a esperança
De um dia te abraçar
Para ficar na lembrança.


sexta-feira, 2 de janeiro de 2015

Conversa ao desafio com uma amiga #1

Não levem a mal a minha condição de nado e criado no Minho dá para coisas como esta, uma conversa com sentido e consentida...


Quem aos meus versos não pode
nem se atreve a responder
ou tem medo de um bigode 
ou tem muito que fazer.

                                                                      Só acertaste à segunda
                                                                      Pois não me falta trabalho
                                                                      Está tudo em barafunda
                                                                     Tenho a casa num frangalho!

Nunca pensei que existissem
Homens com tanta potência
E como tal te esfrangalhassem
Em toda a tua abrangência.
                         
 Em vez de dar ao laréu
tanto tempo ao telemóvel
melhor escrevesse um pitéu
para o seu amigo nobel.

                                                                               O tempo a falar contigo
                                                                               Desapareceu por magia
                                                                               É bom falar com um amigo
                                                                               Dá-nos alento e alegria.

La, la, la, lá, rá , lá rá
é tudo sempre palheta
se te tivesse por cá
fazias-me uma...careta!

Ficava de pança cheia
e apetite saciado
mas ainda deixaria
para ti o meu bocado...

                                                                             Tens mais olhos que barriga
                                                                             Não dizes que é o teu mal?
                                                                             Olha que o pecado da gula
                                                                             Ainda é um pecado mortal.

Morrer com ela entalada
Não deve ser assim tão mau
Quando está asfixiada
Endurece como um pau. 

Não é coisa muito grande
sempre dá para brincar
basta dar-lhe humidade
que até pode vomitar...

                                                                            Diz que quem dá o que tem
                                                                            A mais não é obrigado
                                                                            Mas tem cuidado meu bem
                                                                            Não estará embriagado?

Ele anda é sequioso
e até algo enervado.
Está muito ansioso
e do teu corpo desejado.

Não te estou a mentir
Só te digo a verdade
Ai se eu pudesse sentir
no teu recanto a liberdade.

                                                                           Conquistaste a liberdade
                                                                           Para podermos brincar
                                                                           Podes estar à vontade
                                                                           Porque eu estou a adorar. :))

Brincar neste ar inocente
com palavras a rimar
é quase como a gente
que passa o tempo a pin...tar!



quinta-feira, 1 de janeiro de 2015

Ano Novo

ESPERO QUE TODOS TENHAM CHEGADO ATÉ AQUI NAS MELHORES CONDIÇÕES...

Como já devem ter reparado os comentários às minhas publicações estão abertos e sem moderação foi um brinde de fim de ano que se irá manter por mais algum tempo...
As publicações dos próximos dias farão com que vocês pensem em mim e possam falar de mim, são publicações agendadas porque decidi que assim seria...
Vou ficar temporariamente out porque a minha biovida assim me obriga...
Fiquem bem e esperem...esperem por mim que quando voltar terão o meu sinal!
Sei que estarão comigo e eu estarei convosco no meu coração.
Bem hajam.