quinta-feira, 19 de outubro de 2017

#oporco

Naquela vara passeando em conjunto
Soltou em surdina breves grunhidos,
Ao saber que o seu futuro passa pelos enchidos
Ou quem sabe, por um naco de presunto.

"São sortes"- pensou baixinho
Realmente aquilo de ser suíno
Não encontra outro destino
Na permanente procura que faz com o seu focinho.

Quando encontra alguma pérola
Não a guarda na sacola
Pois destrói-a com os dentes.

Faz-me lembrar seres humanos
Demônios com cara de anjos
Que a legislar esmifram as gentes!


(Mariavaicomasoutras)

quarta-feira, 18 de outubro de 2017

#conversaparalamentar

Miau!
Dizes-me tu ternurento
Enquanto ouço as notícias
De um país já em pranto!
Miau!
Repetes tu, que chantagem
Enquanto continuo a ouvir
Que há políticos sem bagagem!
Miau!
Repetes de forma arisca
Enquanto ecoa a habilidosa verborreia
Saída de uma boca sinistra!
Miau!
Repetes tu mais contente
Enquanto absorvo o pensar
De quem na república é o presidente!

Miau! Dizes-me tu!
Miau! Dizemos agora os dois
Que a miar nos entendemos
Neste diálogo em que os bois
Têm os nomes que sabemos!


(Mariavaicomasoutras)
#mordeduracanina

Rodeados de amigos ditos fiéis
Na nossa Terra peregrinamos
Entre enganos e desenganos
Quantas vezes indigeríveis!

Mas é nas curvas da estrada
Ou nas sombras do caminho
Que agigantam o focinho
E nos mostram a vil raiva instalada.

Por entre rosnas, uivos e latidos
Ou um ladrar que nos fere os ouvidos
Ficamos com a mente embaraçada!

No disfarce esses amigos se vestem
Mas sorrateiramente investem
E nos mordem pela calada!


(Mariavaicomasoutras)

segunda-feira, 16 de outubro de 2017

#orato

Anda tudo atrás de ti
Roedor aventureiro
Porque não dizes aqui
Onde tens o mealheiro?

Eu não quero esses trocados
Que mostras a toda a gente
Quero os milhões endossados
Pra fora do continente!

Sei que por seres esguio
Vives à tua maneira...
Vai ser um bom desafio
Prenderem-te na ratoeira!


(Mariavaicomasoutras)

sábado, 14 de outubro de 2017

#raposa

És tão astuta e matreira
Nas tuas lides mundanas
Que quase sempre m'enganas
Com a tua brincadeira.

Sempre de algo sedenta
Com o focinho empinado
Procuras um descuidado
Porque a fome é violenta.

Quando àquilo que desejas
Infelizmente não chegas
Arranjas desculpas reles.

Tal e qual como os que dizem
E esquecidos se contradizem
"Não fui eu que votei neles!"


(Mariavaicomasoutras)

sexta-feira, 13 de outubro de 2017

#esteaquidizqueoé

Mas que grande e alegre conversa
Entre os burros acontece
Que por vezes até parece
Que o "hi-ho"é uma lingua perversa.

Dizem uns tais estudiosos
Que o zurrar é uma arte
Que conduz pra toda a parte
O pensar aos mais vaidosos!

E pelo falar desses malditos
Convictos e pouco eruditos
A nossa cabeça esvai-se.

Só consegue entendê-lo
Quem lhe passa a mão pelo pêlo
E se arrisca a um bom coice.


(Mariavaicomasoutras)
#sextatreze

Numa vassoura sentado
Viajando pelo ar
Vi que a bruxa sem parar
Às escuras me deixava.

O gato preto, coitado
Vendo a lua esfumar-se
Miou tanto até cansar-se
Desfalecendo a meu lado.

De sal, arruda e incenso munido
Em frente ao espelho partido
Invoquei as vivas almas.

Espero agora o resultado
Deste feitiço salgado
Na maior das minhas calmas!


(Mariavaicomasoutras)

quinta-feira, 12 de outubro de 2017

#nebulosidades

Veio o nevoeiro ocupar o amplo espaço
Pertencente aos domínios do campo de visão.
Reduz-se assim o valor da imponente e sã paisagem
Convertendo a quadratura da imagem
Na vulgar bazófia da narrativa provinda do jogador.

Nada há que nunca fique à mercê
Das nebulosidades imprevistas
Oriunda vá-se lá saber como e porquê!
Nem juiz que porventura das circunstâncias não decida
Tramitando a sua sentença em julgado...
Seja como for...são assim as incoerências irrecorríveis da vida.


(Mariavaicomasoutras)

terça-feira, 10 de outubro de 2017

#opesodaverdade

Nado e criado num antro de convulsões
Brotou aquele que num esperançoso dia
Se assumiu como sendo a garantia
De recuperar a verdade no reino das ilusões.

No seu doloroso e frágil crescimento
Onde a estiagem foi a permanente regra
Venceu por aquela chamada "unha negra"
Que acabou por não lhe garantir o sustento.

Assistindo a um esbanjamento permanente
Numa caduca náusea vai sorrindo lentamente
Deixando que a quimera se esvaia perante as dificuldades.

Irá o tempo dar-lhe um universo de razão
Quando tudo estiver arrasado pelo chão
No inegável peso transportado pela mais pura das verdades! 


(Mariavaicomasoutras)

#quarentaanosumavida

Quarenta anos se passaram na verdade
De um curso de enfermagem surpreendente,
Onde perdura mais que o saber a amizade
Que na airosa e colorida imagem se sente.

A vida transporta em si mil e um reveses
Não me permitindo estar convosco presente.
Mas como nas milhentas outras vezes
Sinto que não estive de todo ausente!

A todos deixo um caloroso e terno abraço
Recordo-vos com saudade e  emoção
Na certeza que há e haverá sempre um laço
Que nos une bem mais perto e dentro do coração!

(Mariavaicomasoutras)



segunda-feira, 9 de outubro de 2017

#deontematéamanhã

Ontem! Pensei em alguém...
E pensei bem!
Que a distância é o que une
O que a distância separa!

Hoje! Penso em mim...
E penso bem!
Que as horas fazem os dias
Que os dias levam embora!

Amanhã! Pensarei a última vez...
Pensarei bem?
Que hei-de chegar a partir
Porque a chegada é partida!


(Mariavaicomasoutras)

domingo, 8 de outubro de 2017

#amor(fos)#love(matches)#amour(llumettes)

Amor é fogo?
É fogo é!
Quando a nossa mente
Dá ordens ao coração
Para se atirar em frente,
Ligando a ignição!
Logo, logo incendeia
Como quando esfrego o amorfo
Na parte chamada lixa!
E quando se aproxima
A chama de um pavio
Num instante se faz luz!
Tal e qual ligar a ficha
Com os fios descarnados
Sente-se logo o arrepio
Pela descarga atingidos
Quando alguém nos seduz!
O fogo tem o seu perigo
E há quem saia queimado
Basta olhar para o umbigo
Esquecendo quem está ao lado!
Fala um carbonizado,
Neste poema de amor.
Umas vezes fui queimado
Outras... incendiado!
Mas sempre tenho aprendido
Que tem muito mais valor
Um Amor algo sofrido
Do que o falsamente vivido
Sem réstia de qualquer chama
E ausência de calor!

(Mariavaicomasoutras)

sexta-feira, 6 de outubro de 2017

#nodiamundialdosorriso

S_onhar não custa
O_nde acordado se está!
R_aia pura a luz do dia
R_asgando da penumbra
I_lusões de uma vida diferente!
S_erenos assim ficamos
O_lhamo-nos..depois sorrimos!    


(Mariavaicomasoutras)

quinta-feira, 5 de outubro de 2017

#mãoevida

De mão dada com a vida
Procuro sempre a saída
Que não queria de emergência
Apesar da impaciência.

A luz daquele pavio
Inclinado pelo frio
Fala comigo calada
Indicando-me a estrada.

Por ali segue o coração
Com a vida de mão dada!


(Mariavaicomasoutras)

quarta-feira, 4 de outubro de 2017

#hádiasassim

Por vezes escrever um texto
Sem ferir certas vaidades
É como vestir verdades
Protegendo-as no contexto.

Vós olhai, vós reparai!
É uma expressão ativa
Que procura manter viva
A vida que por aí vai.

Há dias que são assim
Escrevo o que não devia
Mas que ninguém entendia
Por escrevê-las só pra mim.


(Mariavaicomasoutras)

terça-feira, 3 de outubro de 2017

#andaràvela

Mar!
Em ti navego sem rumo
Até ao dia em que encalho
Quem sabe se aí chego
A ter de ti saudosismo.

Mar!
Porque é que troças de mim
Nesta viagem tão curta
Com cada onda que assusta
Ou na calmaria sem fim?

Mar!
Sabes que a ti me entreguei
Velejando sem amarras
Nos braços com que me agarras
E sem ti nada serei.

Mar!
Em tua água espelhada
Refletem-se as estrelas
Promessas de coisas belas
Numa qualquer madrugada.

Mar!
Ao finar, vou-te perder
E tu a minha companhia
Levando à vela a poesia
Que escrita tu querias ver.


(Mariavaicomasoutras)
#trêsporcontadeaparências

Naquela ventosa tarde de outono
Fim de um dia de emoções
Alguém puxou de uns galões
Não abandonou o seu trono.

À frente, segue um independente
Logo atrás, com dimensões iguais
Caminham dois outros, desiguais,
Com pensar igualmente inteligente.

Escolhido pelo povo em absoluto 
Como já o fez vezes sem fim
Convence-se a humilde consciência
Que a cura está na independência!

Ao toque da sineta que escuto...
No absoluto de todas as paciências
Que a acção é demasiado impulsiva
Por conta de inúmeras aparências!


(Mariavaicomasoutras)

quarta-feira, 27 de setembro de 2017

#fantasmas

Caía o dia empurrado pela noite.
Numa programação sintonizada
Naquela fraca rede digitalizada
Arriscando um simples palpite.

Fixei vagamente o meu olhar
Naqueles seres irrequietos
Dando aso aos desejos secretos
De ver ali alguém a tropeçar.

Para mal dos meus pecados
Nem sequer por sombras me ocorria 
O que no seguinte dia fatalmente ocorreria.

Naquele esburacado queijo suíço
Onde a águia no seu completo marasma
Se fragmentou num resultado fantasma!


(Mariavaicomasoutras)

terça-feira, 26 de setembro de 2017

#paixãodavida

Marca a razão o compasso
Ao incansável coração
Que chega a trocar o passo
Nos meandros da paixão.

Se ateada a chama
Que afugenta a solidão
Abraçam-se os seres humanos
Em perfeita comunhão.

Não se alimenta a injustiça
Não há lugar prá cobiça
Na esperança que se alcança.

Nasce assim o Amor
Nos braços de um cuidador
Que nos merece a condiança.


(Mariavaicomasoutras)

domingo, 24 de setembro de 2017

#matrizdavidamatizada

"A vida tem um sentido
E o sentido é viver"!
Às vezes, de modo injusto
Leva-nos a tudo perder.

E como vida há só uma
Não é possível fugir
Ao destino em que se ruma
Até o fim se atingir!

É triste! Mas de verdade,
Mesmo no doloroso viver,
Aguentamos a saudade
De sonhos que vamos perder!


(Mariavaicomasoutras)

sábado, 23 de setembro de 2017

#ilusões

Por alguns momentos, naquelas noites de tédio
Parto à procura do que na verdade desconheço.
Envolto numa agradável aura de um mistério
Onde o silêncio da luz é tal que quase endoideço.

No universal e denso céu que assim transponho 
Sinto circular à minha volta num infernal rodopio
Milhões de incandescentes  pirilampos que suponho
Serem errantes almas todas suspensas por um fio!

Estremeçendo, acordo beliscado pela picada da incerteza
No perentório abraço de leais e oculares sentinelas
Que num pestanejo me transmitem com uma intensa beleza
A ilusão que existe no mundo de todas aquelas estrelas.


(Mariavaicomasoutras)

sexta-feira, 22 de setembro de 2017

#háoutroladonavida

Chega um dia o Outono
Com mudanças na paisagem
Coradas caiem as folhas
Deixam desnuda a ramagem.

Num sofrido abandono
Prostradas ficam no chão
Esperando que o vento as leve
Onde alguém lhes dê a mão!

É triste vê-las chegar
Com mil histórias por contar
Numa tristeza incontida.

Mas quando bem as acolhem
É aí que se apercebem
Que há outro lado na vida!


(Mariavaicomasoutras)

quarta-feira, 20 de setembro de 2017

#aminhaterraCarreço - 2

Trouxeram-me um certo dia
Até ti terra formosa
Que tem por nome Carreço
Onde o "r" arrepia
Na pronúncia melodiosa
De quem por ti tem apreço.

Logo que abri os olhos
E pude ver o farol
Que orientava os navios,
Senti que tudo o que vemos
Está repleto de escolhos
Que incitam a desafios!

Ah! Carreço que conheço
Como um Jardim colorido
Entre o Céu, o mar e o monte!
Que no sentir nunca esmoreças
E que mais e melhor em ti desponte
Pois há tantos anseios perdidos!


(Mariavaicomasoutras)

segunda-feira, 18 de setembro de 2017

#aminhaterraCarreço

Três amigos que conheço
Esvoaçam no céu azul
Vindos do norte e do sul
Nesta terra que é Carreço.

Encaro-os de igual modo
No vôo que começou
Porque sendo como sou
No voar não me incomodo.

Ao votar sou seletivo
Não voto pelo partido
Conhecido ou independente
Sem dúvida... voto diferente!

Quero mais e melhor por Carreço,
Sentir mais porque mereço
E realizar os seus anseios...
Mas como? Se os bolsos não estão cheios?


(Mariavaicomasoutras

domingo, 17 de setembro de 2017

#adignidadeéumacausa

Levantaram-se muralhas
Em conjunto com cadeias
Esquecendo que as ideias
Quando certas são faúlhas!

Por isso quem vai à luta
Sem medo do injustificado
Nunca acaba incendiado
No auge de uma disputa.

Todos devem dizer:- presente!
Por questões de dignidade,
Independentemente da idade.

Mostrando com uma tal emoção
O que lhes vai no fundo do coração
Pois quem se sente...é filho de boa gente!


(Mariavaicomasoutras)

sábado, 16 de setembro de 2017

#linhaamarela

Há flores por entre os dedos
Daquelas mãos corajosas.
Não são lírios, não são rosas
São cravos brancos que unem
Enfermeiros revoltados!

Um dia, símbolo de liberdade
Foram vermelhos os cravos.
Mas viu-se agora na rua 
Na maré de brancos cravos
O símbolo da dignidade.

Com argumentos derrotistas
Aqueles que nos contestam
Não passam de parasitas
Que vivendo às nossas custas
São uns eternos sofistas!

A perturbar os dois lados
Há uma linha amarela
Que no final desta história
Será transposta em glória
Por orgulhosos soldados.


(Mariavaicomasoutras)

quarta-feira, 13 de setembro de 2017

#ironicalândiadavida

Naqueles férteis anos de 2009
Uns separatistas negociaram em surdina
Uma unificada carreira que me ficou na retina
E que neste momento se lamenta.

Senti-me tão importante por ser o que nunca fui
E tive uma cagança especial
Por ter no peito um "principal"
Pelo tempo que o cartão possuí!

Mas eis que uma tal de portaria
Disse aos recursos humanos
Que havia na lei enganos
E que o que poderia ser não seria!

Passaram-se alguns anos
Sem que o Aldraberto das leiras
Soubesse que tais asneiras
Nos trariam aos infernos.

Vai daí que a grande casta
Que são os nobres enfermeiros
Se vestiram de guerreiros
E em força disseram "basta"!

Contestando o poder supremo
Na singeleza do meu saber
Sei que um dia o fui, mas sem o ser
Um "principal" talvez principal no terreno.

Haverá sempre seres desiguais
Nas formas de ser, fazer e estar
Apoiando e ajudando quem de nós sempre precisar
Mas principal nos cartões? Isso para mim nunca mais!


(Mariavaicomasoutras)

segunda-feira, 11 de setembro de 2017

#naterradosonhos#

Num horizonte sem fim
Perdem-se num olhar imaturo
Tudo lhes parece  um jardim
Onde é permitido sonhar!

A inocência dá coragem
Para enfrentar o futuro
Impossível ver a viagem
E a altura de um muro!

Só que os anos vão passar!
E quando nas ondas da vida
A consciência matura...

O jardim pode secar...
O sonhar não faz sentido...
E num instante é perdido!

(Mariavaicomasoutras)

sexta-feira, 8 de setembro de 2017

#pordosol

Na cama do meu conforto
Qual extenso areal estendido
Suspiros entram no ouvido
Lembrando que não estou morto.

Escondido pelo frágil do capim
Que da aragem me protege
É a tua vontade que rege
Mil desejos que há em mim.

Sei que em breve te escondes
E nem sequer me respondes
Aos enganos que há por ali.

E num tempo cada tarde incontado
Permaneço na dura inércia deitado
Abandonado por ti!


(Mariavaicomasoutras)

segunda-feira, 4 de setembro de 2017

#relaçõesnaturais

Constantemente se move
A Terra sobre o seu eixo
Ao mesmo tempo dá voltas
Procurando ver defeitos
No brilhante companheiro
Que fixamente a admira
E nunca lhe vira as costas.

Ora se vai afastando
Ou então aproximando
A Terra daquela estrela
Fazendo pequenas vénias
Ao longo de todo o ano
Fingindo na noite e dia
Que o deixa ao abandono.

Sempre impávido e sereno
Sabe que ele lhe esconde
Sempre por breves momentos
As traições e as paixões
Sem lhes dar muita importância
Talvez seja até por isso que o Sol é a estrela
E a Terra um planeta que ele mantém à distância.


(Mariavaicomasoutras)

domingo, 3 de setembro de 2017

#poemanegro

Hoje à noite, noite fria! 
Senti que quase perdia
Os olhos que me iluminam
Mas no faíscar arrepiam.

Hoje à noite, noite escura!
Senti que nada perdura.
Tudo em mim se apagou
E em puro breu se transformou.

Hoje à noite, noite negra!
Senti falta de exceção à regra.
Fui obrigado a parar
Por coisa alguma enxergar.

Hoje à noite, noite fria, escura e negra!
Senti que até a palavra integra,
Venenos tão concentrados
No mais frio, escuro e negro dos corpos encriptados.


(Mariavaicomasoutras)

sábado, 2 de setembro de 2017

#oqueéoamor

O que é o amor?
Pergunta direta que agora fazes.
Amor! 
Sentimento com sentido
Ou um sentir consentido?
Um pecado inimputável
Ou momento incontornável?
Uma rima de um poema
Ou um poema sem tema?
Uma dor que desconsola
Ou o consolo da dor
Na demora da tormenta
Que só quem ama aguenta?
Amor!
Vamos agora supor
Que o desaparecido apareça
Que o corpo reencarne
Que a noite não aconteça
Ou que as estrelas incandescentes
Caiam nas lacunas mais sombrias.
Amor!
Deixa que eu chore
Mas não esperes que implore
O incomum sofrimento
No que nos é mais comum
O queixume, a revolta e o lamento.
Amor! 
O que é o amor?
Um sonho? Uma utopia?
Não!  O Amor é a revolta
É um grito de protesto
Contra a desfaçatez
Onde se ignora o dificil
Na história que é a mais fácil.
É...Amor é
O respeito e a compreensão
Mesmo da mais profunda ferida
É...amor é:
-A VIDA E SÓ ESTA E NESTA VIDA!


(Mariavaicomasoutras)

sexta-feira, 1 de setembro de 2017

#vidasemconjunto

A nossa vida é uma dança
Ou quem sabe um redemoinho
Começa tão de mansinho
Acaba num mar de lembranças.

Em círculos ou em voltinhas
Nunca a dança é em vão
Quando unidos pelo coração
Contornam as turbulências mesquinhas.

Os seres que por dentro estão ligados
Numa compreensão e partilha
Quando algum escorrega e cai.

São como átomos puros 
Que mesmo na sua diferença
Formam compostos seguros.


(Mariavaicomasoutras)

quinta-feira, 31 de agosto de 2017

#másorteoupoucasorte

Acordei! É um novo dia!
Os ventos sopram de Norte
Trazem com eles a sorte
Ou quem sabe as agonias,
Que pairam quais borboletas
Nas soleiras das janelas
Envoltas em fantasias.

Neste quadro há o despertar
De uma princesa sem sorte
Nas traições da nobre corte
Que acabaram por levar
Num frio tunel em Paris
O corpo ao encontro da morte
Por apenas querer ser feliz.

Princesa do povo ou não
O coração de Diana
É o âmago que nos ensina
Que a maior desilusão
Não depende só de nós
Mas mais da incompreensão
Que priva e silencia a nossa voz.


(Mariavaicomasoutras)

quarta-feira, 30 de agosto de 2017

#quandoalgonosescapa

Que adianta tentar prender
o que da mão nos escapa
Se isso nos faz sofrer
E a dor nos esfarrapa!

O que a memória retem
A mando do coração
É o retalho que mantém
O sopro da ilusão.

Deixemos ficar os dedos
Peganhentos pelo engodo
Dizendo adeus aos degredos
Porque a parte não é o todo.


(Mariavaicomasoutras)

sábado, 26 de agosto de 2017

#cardos

Levado assim pelo destino
Que me arrastou até ti
Dou largas à fantasia
No trilho que serpenteia
Por entre as dunas de areia.

Na tentação do teu bronze
Não consigo dar a volta
Já nem sequer vejo o mar
E sem tirar o olhar dali
Sinto que o teu corpo despi.

Entre curvas, contra curvas
Depressões e promontórios
Transpiro e fico ofegante
Num terreno assaz selvagem
Sinto um ar altamente triunfante.

Com os dedos, vou-te tocando ao de leve
Correspondendo ao desejo
De um abraço tão sentido,
Mas sem lugar a retardos
Porque não é permitido... abraçar assim os cardos!


(Mariavaicomasoutras)

quinta-feira, 24 de agosto de 2017

#fotografias

A arte de quem faz fotografia 
é esta que que agora vemos
Despertar as consciências
Das causas com que vivemos.

Sim, porque, por e com causas reais
Se constrói o diário imaginário 
Que nos faz decerto desiguais
E conduz ao inevitável fadário.

Tudo porque o humano ser
Na sua intelectualidade alimenta
Aquilo que julga conhecer
Da bonança que chegará após tormenta.

E num invulgar fratricídio
Transforma a vida em tourada
Onde se liquida a si próprio
Sem olhar para mais nada!

Deixa assim de tal forma apreensivo
O fotógrafo que documenta ao vivo 
Num instantâneo reflexivo
A arquitetura de um local facultativo!


(Mariavaicomasoutras)
#fugas

Fujo de ti porque fujo
Fujo de ti porque sim
Fujo de ti porque enfim
Também tu foges de mim...
Fujir contigo é uma fuga
Interpretada assim
Fugir contigo é uma ida
Sempre com volta no fim...
Para quê fugir assim
Só porque te parece
Ou porque ao corpo apetece
Mal a ideia te aparece...
É que minha mente esquenta
Sem saber se aguenta
No fulgor que a alimenta
Tanta pressão junta assim...
Deixa então que o apetite
Resfrie o seu arrebite
E concluas que a fuga
Vai ter que ficar assim...
Em que foges porque foges
Em que foges porque sim
Em que fujo porque fujo
De fugires assim de mim!


(Mariavaicomasoutras)

quarta-feira, 23 de agosto de 2017

#aqueleolhar

Quando pela tardinha rumava
Ao Central para arejar as ideias,
Enquanto hidratava as veias
Um olhar sempre encontrava.

Era único, fresco e irresistível
De tal modo malandreco e cativante
Naquele rosto empolgante
Uma montra do mais puro alto nível.

Hipnotizado pela fixação desse olhar
Senti a minha perversa mente a levitar
Qual vôo de um pequeno passarito.

Mas nos sonhos há um controlo remoto,
E a dona do café ao reparar naquela foto
Disse logo: "Ah! É o olhar do meu patito!"


(Mariavaicomasoutras)

segunda-feira, 21 de agosto de 2017

#almafria

Naquela amálgama de corpos
Senti que havia almas frias
Por estarem sempre sós, no meio de companhias...
Que nunca lhes dão uns confortos.

De que serve ser bela e tão charmosa?
Se nos bons momentos está presa
Por quem lhe propõe cama e mesa
E mil sonhos cor de rosa?

Confesso que me arrepia
Ver aquela alma fria
Por tanta incompreensão.

É que quem com asas nasce
Voando livre...logo ali floresce
Sem nunca se sentir na prisão.


(Mariavaicomasoutras)

domingo, 20 de agosto de 2017

#perguntas

Discípulos por onde andais?
Perto ou longe que fazeis?
Pois eu nunca vos vi mais
Vós eras o meu sustento.

Será que na amizade escondeis
As mágoas que vão lá dentro?

Tanto quanto em vós penso
A todo e qualquer momento
Dizei se ainda me quereis
Sinto-me um ser ao relento...

Perto ou longe que fazeis?
Discípulos, por onde andais?


(Mariavaicomasoutras)
#vianaéamor

Em noite de serenata
Fui passear no jardim
Procurava a candidata
Com um odor de jasmim.

Numa atitude sensata
Fui apurando o sentido
Com uma postura inata
Que carrego envaidecido.

O meu corpo estremecia
No ribombar estonteante
Do belo fogo que via
Ao longo da velha ponte!

E numa incrível surpresa
Entre imensos reflexos
Vejo uns olhos de princesa
Que me deixam perplexo.

Fiquei logo prisioneiro
Daquele olhar matador
Que me disse qual letreiro
Sou Viana o teu Amor!

Acabou! Fez-se silêncio!
Na multidão te perdi.
Vou fazer um sacrifício
Até ao próximo ano e voltar a ver-te ali.

(Mariavaicomasoutras)


sexta-feira, 18 de agosto de 2017

#Vianaprincesa

Pintei a minha princesa
Com as cores do arco íris.
Com mãozinhas nos quadris
Era a imagem da beleza.

Toda ela engalanada e a brilhar
Banhada pelo mar e pelo rio
Põe o povo em tal delírio
Quando se apresenta ornada.

Ai minha princesa Viana
Do Castelo que te aclama
No Reino de fantasia da Sra d'Agonia.

Que as Mordomas, quais damas
Ao compasso batam palmas
Na melhor da poesia.


(Mariavaicomasoutras)

quinta-feira, 17 de agosto de 2017

#sinaisdavida


Quando abertos para a vida
Os olhos com que nascemos
Vão captando o que vemos
Mesmo a coisa mais fingida 

Do sol, da terra e da lua
Tomados como um exemplo
Abrem- se as portas do templo
Sai a fantasia à rua!

Decora-se tudo a preceito
Num alinhamento perfeito
Dando expressão a uns egos

Na imagem do alinhamento
Surge sempre um eclipse
Que nos equipara a cegos!

(Mariavaicomasoutras)

segunda-feira, 14 de agosto de 2017

#metáforasviajantes

Vai assim um amigo enfermeiro  clamando
Com seu sarcasmo inaudito
Que nauseou a mente do aflito
Com talher indigesto apresentando!

Comer ilusões tem um tal preço elevado
Que alguns por elas tragados são
Não porque lhes caiam na mão
Mas antes pelo veneno atiçado!

Que a vetustez daqueles troncos despidos
Os penetre aprofundando sentidos
Onde nada nem nunca se sentiu

E nessa virginal e angelica metáfora
A minha pobre alma nua implora
A ida deles para o sítio que um dia os viu!

(Mariavaicomasoutras)