quarta-feira, 26 de novembro de 2014

A minha alma é tua



Querer tocar-te e não poder
Uma vez...ou muitas mais!
Sinto minha alma esvoaçar
Sempre que a infernal saudade
Se entranha no meu pensar!

Minha pobre e despida alma
Muito orgulhosa do teu ser!
Aquece só de pensar tocar-te
Qual humilde sofredora consciente!
Procurando-te por toda a parte!

Verdadeiro este meu pensar
Entregando minha alma nua
Destroçada, perdida e sem poder!

Tomara que eu em breve te toque
E a minha alma será o teu pertencer!.

7 comentários:


  1. Muito belo este teu poema!!
    Entregar a alma a alguém é um verdadeiro acto de amor.


    Beijinhos verdadeiros
    (^^)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois é AFRODITE, MAS O RISCO DE ENTREGAR A ALMA AO DIABO É MUITO GRANDE.
      BEIJINHOS

      Eliminar
  2. Nunca há entrega verdadeira sem que se entregue a alma!

    Beijinhos Marianos, Maria/Manel! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Manuel Eu e Maria Tu estamos de alma entregue...
      Beijinhos

      Eliminar
  3. Olá Maria!
    O teu poema é tão belo que toca na alma!
    Passei a semana a ler o teu blog, para poder conhecer um pouco melhor o poeta. Despertaste a minha curiosidade com todo aquele caso poético no antro do Patife.
    Neste teu poema, descreves duma maneira tão intensa e bela pensamentos e sentires que também já foram meus.
    Tanto para dizer... tanta vontade de conhercer mais a tua poesia...
    Vou voltar, posso?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Lucy, que saudades! Vieste procurar a tua alma gémea!?
      O antro do Patife é um pecado original.
      Está à vontade via porquenaoeuagora@gmail.com
      Volta sempre que quiseres e puderes, é bom sentir que andas por aqui....

      Eliminar

...Simplesmente Maria.