domingo, 4 de janeiro de 2015

Conversa ao desafio com uma amiga#2

Não levem a mal a minha condição de nado e criado no Minho dá para coisas como esta, uma conversa com sentido e consentida...

Gosto de te ver assim
cada vez que me retorques
Ficas mais perto de mim
Sem rodeios e sem truques.

O havemos de aqui vir
é um caso popular
onde aqueles que lá vão
pensam logo no voltar.

                                                                                 É sim senhor bem verdade
                                                                                 Não vou dizer o contrário
                                                                                 Adoro essa cidade
                                                                                 Mais as bolas da Natário.
Ora bolas digo eu
Que tenho duas bolinhas
O Natário é plebeu
Muito melhores são as minhas.
                                                                                  Muitas bolas já provei
                                                                                  As da Natário sem igual
                                                                                  Já das tuas nada sei
                                                                                  Pois podem-me fazer mal!
Minhas bolas mal não fazem
adaptam-se à vontade,
Mas um reboliço fazem
Se deres oportunidade.
                                                                                  Tu não me tentes, amigo
                                                                                  A carne é fraca, bem sabes
                                                                                  Fujamos sempre do perigo
                                                                                  E de outras adversidades.
Do perigo sim, isso fujo
de ti procuro um encosto
Se te apanho o dito cujo
até te osculo no rosto.

Palavra puxa palavra
ao meu amor de algum dia
se o meu sangue não te engana 
ainda nos leva pra cama.
                                                                                    Não sei se isso é bem assim
                                                                                    Sabemos-nos comportar
                                                                                    Bates-me o coro a mim
                                                                                    Pois gostamos de brincar.
Comportar, bem me comporto
Não fiques tão assustada
por te colar ao meu corpo
numa simples noitada.
                                                                                      Não me assusto não senhor
                                                                                      Pois não é caso pra tal
                                                                                      Mas vai devagar co'andor
                                                                                      Pra teres forças pro arraial.
Juntar o teu dinamite
ao meu rastilho afinal
é como comer um bife
durante o tal arraial.
                                                                                      Quem diz bifes, diz chouriça
                                                                                      Alheira ou salpicão
                                                                                      Sem esquecer a linguiça
                                                                                      Assada dentro do pão.
Queres desafiar
o meu lado rufião
Comia-te até ao osso
lambia os dedos da mão.

Deixas-me preocupado
tens teu amante ao teu lado
com mesmo peso e estatura
que o triste enamorado.
                                                                                       Não precisas de temer
                                                                                       É uma mera coincidência
                                                                                       O que é preciso é não ter
                                                                                       Pesos na consciência.
Na consciência não tenho
algum peso que me afete
Sei usar a inteligência
e já não uso babete.
                                                                                     Quem de babete precisa
                                                                                     Ou é velhinho ou criança
                                                                                     Mas se a alegria é juíza
                                                                                     Vamos bailar esta dança!
A dois tempos já eu danço
este baile sem igual
de te apertar não me canso
no meu instinto animal.
                                                                                       Se deixarmos os instintos
                                                                                       À solta e sem travão
                                                                                       Somos animais famintos
                                                                                       Dominados plo tesão.
Que palavra poderosa
a que rima com o ão
Deves ser mais saborosa
Que a minha imaginação.

O que se passa comigo
minha frondosa amiga
tudo se transforma em perigo
por ter mais olhos que barriga
                                                                                        Isso soa-me à canção
                                                                                        Daquela famosa artista
                                                                                        Porque o Demo mete a mão
                                                                                        Para nos turvar a vista.
Nesta eu dou-te razão
mas a culpa é da fome
tanto penso em pôr-te a mão
que o meu olhar te come...
                                                                                         Que os olhos também comem
                                                                                          Isso não é novidade
                                                                                          Seja mulher seja homem
                                                                                          Seja novo ou já de idade.
Sabes que este comer
Tem sabores de maravilha.
Ao com amor pretender
fazer mútua partilha.
                                                                                           Concordo sem retorcar
                                                                                           É um manjar de delícias
                                                                                           Conjugar o verbo amar
                                                                                           Partilhando mil carícias.
Deste um ar sensual
Ao prazer que se deseja
no acto sexual
que todo o humano enseja.
                                                                                            Sinto que ambos devemos
                                                                                            manter a actual distância
                                                                                            não vá o diabo tecer
                                                                                            uma dorida ausência.

Custa-me a concordar!
Mas mantenho a esperança
De um dia te abraçar
Para ficar na lembrança.


16 comentários:

  1. Uma história das que se cantam ao desafio?
    Um abraço e uma boa semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uma longa história de uma amizade Elvira...
      Abraço

      Eliminar
  2. Um poético desafio rico de harmonia e melodia. Parabéns pela criatividade
    Uma ótima semana para você
    Beijos

    ResponderEliminar
  3. :))

    Quem é criado no Minho
    Tem jeito para Desgarrar
    Cá no meu modesto ninho
    Me sinto desenraizar.

    Não sou minhota ou tripeira
    Vim bastante mais de baixo
    Por isso o meu Cante é outro
    Come-se com açorda ou gaspacho.

    Guarda lá as tuas bolas
    Majestosas e imponentes
    Não aprecio as de Berlim
    Mas as do Natário são excelentes.

    Não que as tivesse provado
    Alguém as comeu que não eu
    Se um dia eu for a Viana
    Vou querer o que é plebeu.

    Nesta bela Desgarrada
    O passo não te acompanho
    Sou muito fraca a rimar
    Sozinha também me amanho.

    Outra amiga vai aparecer
    E para teu grande consolo
    Vai dar-te do que tu gostas
    Sem te cansar o miolo.

    Adeus que me vou embora
    Mais não te sei retorquir
    Se o teu sangue não me engana
    Um dia vamos abraçar-nos e rir…

    *-*


    .



    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Janita a conversa seria assim:

      Quem é criado no Minho
      Tem jeito para Desgarrar
      Cá no meu modesto ninho
      Me sinto desenraizar.

      Não percas as tuas raízes
      Pois seria uma tristeza
      cantando logo me trazes
      da tua terra a beleza!

      Não sou minhota ou tripeira
      Vim bastante mais de baixo
      Por isso o meu Cante é outro
      Come-se com açorda ou gaspacho.

      Teu cante é alentejano
      cheio de açorda e gaspacho
      mas também leva ao engano
      entre a fêmea e o macho

      Guarda lá as tuas bolas
      Majestosas e imponentes
      Não aprecio as de Berlim
      Mas as do Natário são excelentes.

      Minhas bolas estão guardadas
      Não se vendem por tostões
      As do Natário são compradas
      As minhas deixam recordações

      Não que as tivesse provado
      Alguém as comeu que não eu
      Se um dia eu for a Viana
      Vou querer o que é plebeu.
      Vais querer o que é plebeu?
      Essa é a tua ideia
      Quando vieres a Viana
      Ficas com barriga cheia

      Nesta bela Desgarrada
      O passo não te acompanho
      Sou muito fraca a rimar
      Sozinha também me amanho.

      Que sejas fraca a rimar
      Isso não é defeito
      sozinha não vais ficar
      comigo rimas com jeito

      Outra amiga vai aparecer
      E para teu grande consolo
      Vai dar-te do que tu gostas
      Sem te cansar o miolo.
      Venha de lá essa amiga
      E tu podes vir com ela
      talvez assim eu consiga
      uma boa rimadela ...
      Adeus que me vou embora
      Mais não te sei retorquir
      Se o teu sangue não me engana
      Um dia vamos abraçar-nos e rir…

      Tu partes mas vais-te vir
      algum dia a Viana
      só assim poderás rir
      como eu à fartasana.

      Se aqui não puderes vir
      Vou ao Porto ter contigo
      poderás assim sentir
      aquilo que aqui digo ...o meu abraço amigo!

      Eliminar
  4. Desafio poético lindo!

    Dá-me um sorriso a brincar,
    Dá-me uma palavra a rir,
    Eu me tenho por feliz
    Só de te ver e te ouvir.

    Fernando Pessoa

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Lucy, neste desafio
      deixo que passe o tempo
      tal como o novelo de fio
      onde as pontas estão no centro!

      Bjo

      Eliminar
  5. O amigo é poeta e feliz
    Alegre e brincalhão sempre rima
    Tudo o que ele fala e diz
    Sempre nos alegra e anima

    Eu não sou do Minho
    Eu sou apenas brasileiro
    Mas esse meu caminho
    Me faz alegre e braseiro

    Venho sempre por aqui
    Nessa casa de fartas rimas
    Onde rimo laranja com caqui
    E rimo limão com limas.....

    Queria conhecer essa bela terra
    Conhecer tripeiros, do Algarve e alfacinhas
    Mas a minha vida é mesmo uma guerra
    Contra os políticos de cá- filhos de galinhas...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Animar-te é uma promessa
      Que aqui faço ao meu amigo
      escrevo agora com pressa
      estou com frio no umbigo.

      desde o Minho ao Brasil
      vai um abraço sentido
      Desta Maria servil
      Meu PDR amigo.

      Eliminar
  6. Bom dia! Desgarrada ou não, a narrativa está excelente. Para responder de acordo, teria de ser espontânea, qualidade, que neste momento, está completamente afogada em trabalho e outros pensamentos. Boa semana e continuação de muita criatividade, que é coisa que aqui não falta! Bom ano.
    Beijos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bom dia Mia..tenho imensa pena não poder corresponder a esta tua visita, sabes que tenho um gosto enorme pela forma como abordas os teus temas de uma forma diversificada, admiro a tua inteligência e sagacidade...ainda vai levar algum tempo mas quando sentires a minha presença no teu blogue é porque estou de volta.
      Beijinhos Mia com muito carinho e amizade

      Eliminar
  7. Adorei a desgarrada. És poeta, mazeu nan sou e por isso nao sei fazer poemas.
    Mas recebe os meus dessjos de bom ano para ti.
    Kis:>}

    ResponderEliminar

  8. Ai este meu sangue minhoto... até estou toda arrepiada!
    Estes versos estão uma delícia!! :))

    Vou segurar-me para não fazer rimas nem te desafiar... porque já me consolei com as do post e com as da Janita! (Janita... és GRANDE minha amiga!!)


    Um beijo ENORME ♥
    (^^)

    ResponderEliminar
  9. Afrodite, sei que está frio
    para nós alto minhotos
    provoquei-te um arrepio?
    Ai que os versos são marotos!

    Nem tentes desafiar
    ia ser coisa bonita
    pôr-me aqui a versejar
    Para ti e prá Janita

    Beijinho para vocês as duas...são Enormes!

    ResponderEliminar

...Simplesmente Maria.